12 de abril de 2011

PISO SALARIAL DOS PROFESSORES

Sobre o piso salarial dos professores e seu futuro

De Esquerda em Esquerda - [Rudá Ricci] A decisão do STF sobre a validade do piso salarial nacional dos professores é um alento, mas nem se trata da ponta do iceberg do problema da categoria.
Obviamente que há, aqui, uma nítida prioridade que o movimento sindical da categoria deu à pauta econômica. É um direito e uma base mínima de sustentação da carreira, que vem perdendo aceleradamente a atração para jovens que procuram ingressar no mercado de trabalho. Os cursos de pedagogia perdem alunos com uma velocidade que exaspera qualquer educador.
.
Mas o salário não me parece o grande problema da categoria.
.
Enumero o que considero, em ordem de importância (não incluo a questão salarial, que já citei), os problemas mais graves a serem solucionados para se criar uma condição de trabalho mínimo para os docentes, em especial, do ensino fundamental:
.
1) Segurança: os índices de ameaça e atos violentos que os professores estão sendo submetidos são assustadores. Nas pesquisas realizadas em cidades médias e grandes, mais de 50% dos professores já sofreram ameaças verbais de pais ou violência física de alunos. Não há salário que compense tal angústia e humilhação;
.
2) Apoio técnico: como atender alunos incluídos com dificuldades médicas ou em situação especial (autores de atos infracionais) sem apoio especializado? As demandas por laudos que professores emitem entram nas filas do SUS. Não há prioridade para a área educacional e o professor fica na solidão, mergulhado na frustração de não saber como encaminhar dificuldades reais. Não há nenhum serviço de saúde diretamente vinculado às escolas públicas. São as velhas caixinhas da burocracia lusitana que herdamos;
.
3) Síndrome de Burnout: mais de 30% de professores e diretores escolares sofrem desta síndrome, cuja expressão é o desânimo e a depressão. Perde o fôlego. Daí o vocabulário dos educadores do ensino fundamental ser recheado de queixas e rancor. Não precisa ser bom orador para despertar a ira de uma platéia de professores. Não existe um programa básico nacional que tente amenizar este problema. E a busca por melhoria do IDEB agravou a angústia na sala de aula. Em qualquer escola de ensino básico país afora é possível ouvir que um professor demora ao menos vinte minutos para começar uma aula. A baderna, o desrespeito, a ausência, um certo autismo social que envolve os alunos, desmonta o ânimo de qualquer professor, mesmo os mais preparados e entusiasmados;
.
4) Tempo: a organização do tempo do professor de ensino básico é um escândalo a parte. Tripla jornada é básico no planejamento desses profissionais. Sem dedicação exclusiva e com um máximo de turmas para cada professor, não há saída. O esgotamento é questão de meses. Não é por outro motivo que estamos falando da categoria profissional que mais entra com pedidos de afastamento médico entre outubro e dezembro em nosso país.
.
Qualquer gestor educacional sabe desta realidade. Mas se esconde como avestruz. Prefere adotar paliativos que jogam a culpa no próprio professor: não tem formação, não sabe dar aulas, precisa de premiação para incentivar a melhorar o IDEB. Enfim, o gestor nunca aparece como culpado. E, pior, a universidade aplaude. Muitas vezes, ataca seus colegas, não são solidários.
.
Mas não só os gestores. Temo que o rancor da categoria tenha contaminado o sindicalismo de professores. Os dirigentes sindicais sabem desses problemas. Mas continuam se fixando na pauta econômica porque mobiliza facilmente e não exige grandes reflexões técnicas. Não sei se vender a saúde é um caminho eticamente aceitável. Mas é disto que estamos falando: a educação nacional do ensino básico vive esta disputa entre salário/sindicatos X controle/gestores.
.
Rudá Ricci é Sociólogo, Mestre em Ciências Políticas e Doutor em Ciências Sociais.

Fonte:http://www.diarioliberdade.org/index.php?option=com_content&view=article&id=14264:sobre-o-piso-salarial-dos-professores-e-seu-futuro&catid=60:linguaeducacom&Itemid=72

3 comentários:

  1. Encantada com a reportagem. Tudo verdade. A baderna na sala de aula faz com q o professor perca o estímulo e a saúde vai embora mesmo. A direção da escola só valoriza se o prof. estiver 100%. Qualquer problema de saúde, adeus moral...

    ResponderExcluir
  2. ÓTIMO BLOG! JÁ SOU SEGUIDOR! SIGA O MEU TAMBÉM!

    pablocalor.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. ALGUNS MUNICIPIOS TENTA PAGAR O PISO JUSTIFICANDO PARA 40 HORAS LIMITANDO PELO ATÉ 40 HORAS, TENTANTO PAGAR PROPORCIONAL A 30HS NA MAIORIA DOS MUNCIPIOS, isto é uma pouca vergonha

    ResponderExcluir